sábado, 13 de fevereiro de 2016

Festa Brava despediu-se do Ganadero Fernando Pereira Palha

Castanheira do Ribatejo foi pequena para receber Aficionados, Políticos, Ganaderos, Empresários, Toureiros, Campinagem e Amigos que quiseram prestar a última homenagem ao SENHOR Ganadero Fernando Pereira Palha.
Numa entrevista a O MIRANTE, publicada a 27 de Junho de 2007 confessava-se monárquico e crente e afirmava detestar a política. Dizia ainda ter mais consideração pelos pobres do que pelos ricos. "Tive uma pessoa extraordinária que foi o meu pai (António) que me ensinou a respeitar sempre os nossos criados e os homens mais velhos. Sempre que falecia um empregado da casa o meu pai dizia-me para ir a casa da família acompanhá-los e depois ir ao funeral. Um criado ou um campino não era um servo era um homem que tinha sido criado na casa que crescia connosco", explicou na altura.
Admirador da figura do campino tinha uma posição muito crítica sobre a utilização daquele símbolo do Ribatejo como elemento decorativo de festas taurinas. "Vestir uma farda de campino sem o ser é uma verdadeira afronta a quem é verdadeiramente campino. O meu neto já me pediu para o trajar de campino, mas eu disse-lhe que não porque um cortejo não é para ir mascarado. Prefiro que o meu neto vá de calça justa, jaqueta e chapéu. Repare no tamanho das unhas de alguns campinos, por exemplo. Um campino não pode ter aquele tamanho de unhas. Se for estender um fio de arame farpado ou aparelhar um cavalo as unhas partem. E nos trabalhos do campo gastam-se", dizia. Defensor das tradições e das festas propunha uma alternativa. "Para conseguirmos manter as festas temos de deixar entrar os marialvas e cavaleiros amadores sem serem fardados de campinos".
Na mesma entrevista aceitou falar sobre a morte. "Sou crente, católico. Mau católico, com certeza, cheio de pecados, mas tenho o conforto de pensar que existe Deus. A morte faz-me muita confusão. Ver desaparecer os amigos, e até os inimigos, causa-me sofrimento".
Até um dia Don Fernando Pereira Palha...
Última homenagem de Manuel Pereira a um amigo...

Sem comentários:

Enviar um comentário