Alcochete- Festas do Barrete Verde e das Salinas 2017- 11 a 16 de Agosto

Alcochete- Festas do Barrete Verde e das Salinas 2017- 11 a 16 de Agosto
:::::::::::::::::: Clica na imagem para veres o programa ::::::::::::::::::

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Homicídio e mau tempo afastou forasteiros das festas de Salvaterra

A mediatização de Salvaterra de Magos com o caso da morte de Filipe Costa, 14 anos, alegadamente assassinado por outro jovem de 17 anos, pode ter afastado visitantes das Festas dos Toiros, do Foral e do Fandango que terminaram este domingo na vila salvaterrense.
 É pelo menos este o sentimento de alguns populares, comerciantes e até fontes da GNR que não duvidam que a redução do público este ano se deve ao facto de ter sito foi criado “um clima de medo e uma má imagem da vila” por causa do destaque dado ao homicídio do jovem salvaterrense durante a última festa realizada em Salvaterra no mês passado.
 “Eu convidei umas famílias amigas que vinham sempre na noite de sábado e este ano não quiseram vir porque têm filhos pequenos e tiveram medo da confusão”, explica Maria Júlia, moradora em Salvaterra e uma entusiasta das largadas de touros.
 A GNR reforçou os meios durante os festejos, que decorreram de 5 a 14 de junho. Foram visíveis militares da Equipa de Intervenção e binómios cinotécnicos, com cães preparados para detetar substâncias proibidas e ajudar os militares em caso de necessidade de repor a ordem pública.
 Fonte da Guarda explicou que no primeiro sábado houve um confronto que podia ter tomado proporções graves, mas foi de imediato sanado com a intervenção dos militares. Durante os festejos a GNR, mobilizou mais de meia centena de militares.
 O balanço da GNR aponta apenas para duas detenções por injúrias aos militares e vários crimes contra o património com pintura de sinais e destruição de equipamentos públicos. Os dois homens detidos no sábado são presentes esta segunda-feira a tribunal e ambos têm antecedentes criminais.
 Vários populares ouvidos pela nossa reportagem lamentam que “a má fama lançada sobre Salvaterra” esteja a afastar as pessoas da vila e garantem que tudo voltou ao normal. “Somos gente de bem, trabalhadora e honesta. O que aconteceu aqui podia acontecer noutra terra”, diz José Júlio, sexagenário habituado a ver as ruas de Salvaterra cheias em dia de festa.
 Além deste fator, o mau tempo que assolou a região e levou ao cancelamento de algumas atividades, contribuiu também para a diminuição do número de visitantes destes festejos que, ainda assim, proporcionaram momentos de grande diversão.
Fonte: Rede Regional

1 comentário:

  1. É de lamentar o que se passou com esse jovem de 14 anos, mas arranjar desculpas para a fraca assistência ás largadas isso não pega, digam sim é que os toiros não valem nada e as pessoas já andam a ficar fartas de levar grandes banhadas e não estão para se deslocar a ver as mesmas que é o meu caso.
    Eu era para me deslocar como aficionado que sou a Salvaterra de Magos , como faço todos os anos e houve pessoal que brinca com os toiros, e me informou para eu não ir gastar gasolina ou gasóleo pois não valia a pena porque os toiros largados nem se mexiam e que já eram muito tarimbados pois é o mal dessa ganadaria que larga ai os referidos toiros pois esses animais chegam a fazer por fim de semana duas a três largadas por várias partes do pais.
    Mas é de louvor o esforço de quem trabalha para que as festas se realizem, porque não tem culpa que as largadas não prestem

    ResponderEliminar