quinta-feira, 19 de março de 2015

Maurício do Vale diz mal do "Mundo dos Toiros" na Azambuja

Maurício do Vale, o mais prestigiado e conhecido critico tauromáquico, malhou forte e feio nos homens que põem de pé todos os anos as corridas de toiros. Embora usando adjectivos suaves, classificou os empresários muito abaixo do nível necessário para que a festa brava em Portugal reconquiste o público que tem vindo a perder nos últimos anos.

Maurício do Vale estava na sala, no meio da assistência, mas a certa altura foi-lhe dada a palavra e o crítico tauromáquico começou por elogiar as duas cavaleiras, que falavam na noite de sexta-feira no colóquio intitulado "A Tauromaquia no Feminino", que decorreu no Museu Municipal Sebastião Mateus Arenque, em Azambuja.
Recorde-se que já foi apoderado de Ana Batista durante dez anos e, actualmente, é apoderado de Ana Rita, as convidadas do serão. Maurício do Vale afirmou que as empresas que organizam as corridas de toiros "não são objectivas" e vão por gostos pessoais e "compadrios".
"Existem pactos invisíveis. Hoje em dia há empresas que apoderam cavaleiros e só os contratam para as corridas porque são seus apoderados", lamentou.
Maurício do Vale defende que as escolhas de cavaleiros e grupos de forcados para as corridas não podem ser feitos na base das "amizades e compadrios" como tem acontecido nos últimos anos.
"Há que organizar as corridas de touros em função do que um cavaleiro faz na arena. Se tem triunfado deve ser chamado para mais corridas mas, infelizmente, não é isso que acontece. Existem muitos interesses instalados neste mundo que não dignificam a festa brava", criticou.
Fonte: OMirante.PT

Sem comentários:

Enviar um comentário